Contactos  | 
Logo Portal da Habitação
   
 

Co-financiado por : POSC  
Fundos Estruturais CE
» Reabilitação Urbana » Reabilitar para Arrendar
 
versaoHorizontal_short2  

BEI Logotipo_short


Perguntas e Respostas Frequentes
 
 
» 1- Qual a legislação que se aplica a este programa?
» 2- O que é uma candidatura?
» 3- O que é uma intervenção?
» 4- Quem pode candidatar-se?
» 5- Quantas candidaturas podem ser apresentadas?
» 6- Quantos períodos de candidatura haverá?
» 7- Que tipos de intervenção de reabilitação urbana podem ser abrangidos pelo programa?
» 8- Cada intervenção pode corresponder a mais de um procedimento de contratação pública?
» 9- Como se pode apresentar a candidatura?
» 10- Como se demonstra que a entidade não tem restrições ao endividamento?
» 11- Pode ser apresentada candidatura sem o comprovativo da capacidade de endividamento?
» 12- É necessário apresentar projetos das intervenções nesta fase da candidatura?
» 13- Podem ser reprovadas algumas das Intervenções abrangidas pela candidatura?
» 14- Existe algum limite ao custo de cada intervenção?
» 15- Podem existir intervenções parciais?
» 16- Existem restrições quanto à localização das intervenções?
» 17- Como saber se a candidatura é elegível?
» 18- No caso de não ter área de reabilitação urbana aprovada ou em processo de delimitação é possível apresentar candidatura?
» 19- A candidatura pode abranger intervenções em edifícios ocupados ou é obrigatório que o edifício esteja devoluto?
» 20- Quais são os documentos que devem ser apresentados com a candidatura?
» 21- Se não for possível obter todos os documentos necessários no prazo para a apresentação da candidatura, a mesma será aceite?
» 22- Quais os critérios de seleção das candidaturas?
» 23- Quais os critérios de exclusão das candidaturas e intervenções?
» 24- Qual a forma de pagamento da taxa de análise da candidatura?
» 25- A taxa é devolvida em caso de aprovação?
» 26- Caso a candidatura não seja aprovada há direito ao re-embolso da taxa de análise?
» 27- Qual o prazo para início das intervenções?
» 28- Qual o prazo para a conclusão das intervenções?
» 29- Qual a taxa de juro a aplicar ao empréstimo?
» 30- Como se processam os desembolsos das verbas contratadas?
» 31- Qual o prazo de amortização do empréstimo e de pagamento de juros?
» 32- Quais as garantias a apresentar para a obtenção do empréstimo?
» 33- Quem é o titular do empréstimo?
» 34- O que fazer caso não consiga descarregar os ficheiros, que estão identificados na página inicial do inquérito?
» 35- O que fazer caso não receba uma mensagem de correio eletrónico após a submissão do inquérito?
   

1- Qual a legislação que se aplica a este programa?

O programa REABILITAR PARA ARRENDAR rege-se pelo seu Regulamento.
Para além do Regulamento aplica-se o disposto no Regime Jurídico da Reabilitação Urbana, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 307/2009, de 23 de outubro, com as alterações introduzidas pela Lei nº 32/2012, de 14 de agosto. Devem ainda respeitar-se as regras da concorrência estabelecidas no Código da Contratação Pública.
 

» voltar ao topo

2- O que é uma candidatura?

É o processo pelo qual uma entidade manifesta junto do IHRU a intenção de obter um financiamento, nas condições estabelecidas para o programa REABILITAR PARA ARRENDAR.
Uma candidatura pode incluir várias intervenções.
 
» voltar ao topo

3- O que é uma intervenção?

É o conjunto de ações e obras que integram o mesmo procedimento de formação de contrato de empreitada de obras públicas nos termos do Código da Contratação Pública.
 
» voltar ao topo

4- Quem pode candidatar-se?

Podem candidatar-se Municípios, Sociedades de Reabilitação Urbana e Empresas Municipais, que adotam a designação de Entidade Gestora.
Podem ainda candidatar-se outras entidades públicas, nomeadamente os serviços da administração direta do estado, os institutos públicos, as regiões autónomas, as associações de municípios e as entidades públicas empresariais de capitais exclusivamente públicos, designadas por Entidades Associadas, desde que as intervenções propostas estejam integradas na candidatura da Entidade Gestora.
 
» voltar ao topo

5- Quantas candidaturas podem ser apresentadas?

Só será aceite uma candidatura por município, por cada período de candidatura.
O convite à apresentação de candidatura é dirigido ao município, a quem cabe decidir se apresenta candidatura e se a delega numa outra entidade gestora (Sociedade de Reabilitação Urbana ou Empresa Municipal) existente no respetivo município.
 
» voltar ao topo

6- Quantos períodos de candidatura haverá?

Está previsto um primeiro período de candidatura, com 60 dias de duração.
Na eventualidade de não virem a ser aplicadas todas as verbas disponíveis, o IHRU poderá proceder à abertura de novos períodos de candidatura.
 
» voltar ao topo

7- Que tipos de intervenção de reabilitação urbana podem ser abrangidos pelo programa?

Podem ser abrangidos pelo programa, os seguintes tipos de intervenção:
  • Reabilitação ou reconstrução de edifícios cujo uso seja maioritariamente habitacional e cujos fogos se destinem a arrendamento nos regimes de renda apoiada ou condicionada (a aquisição de edifícios ou frações para estes fins é admitida no programa, ainda que os seus custos não possam ser objeto de financiamento pelo IHRU);
  • Construção de novos edifícios, para preenchimento de tecido urbano antigo, que se destinem maioritariamente a arrendamento nos regimes de renda apoiada ou condicionada;
  • Reabilitação ou criação de espaços do domínio municipal para uso público desde que ocorram no âmbito de uma operação de reabilitação urbana sistemática, conforme o disposto pelo Decreto-Lei n.º 307/2009, de 23 de outubro, com as alterações introduzidas pela Lei nº 32/2012, de 14 de agosto;
  • Reabilitação ou reconstrução de edifícios que se destinem a equipamentos de uso público, incluindo residências para estudantes (a aquisição de edifícios ou frações para estes fins é admitida no programa, ainda que os seus custos não possam ser objeto de financiamento pelo IHRU).
» voltar ao topo

8- Cada intervenção pode corresponder a mais de um procedimento de contratação pública?

Não. Cada intervenção tem de corresponder a um procedimento de contratação pública.
Para além do procedimento principal, admitem-se outros procedimentos concursais acessórios, necessários à execução da obra (projetos, fiscalização, coordenação de segurança em obra, certificações).
 
» voltar ao topo

9- Como se pode apresentar a candidatura?

A candidatura é submetida ao IHRU por via eletrónica, através do endereço de internet indicado na mensagem de correio eletrónico que foi enviada com o convite para apresentação de candidatura.
 
» voltar ao topo

10- Como se demonstra que a entidade não tem restrições ao endividamento?

Os municípios com capacidade de endividamento em 2013, terão de aceder ao Portal da Direção Geral das Autarquias Locais e obter a “ficha do município” que deverá ser carregada no formulário de candidatura.
 
» voltar ao topo

11- Pode ser apresentada candidatura sem o comprovativo da capacidade de endividamento?

Sim, o IHRU apreciará a candidatura e no caso de esta ser aprovada, o município terá que demonstrar que possuí capacidade de endividamento.
 

» voltar ao topo

12- É necessário apresentar projetos das intervenções nesta fase da candidatura?

Não. A candidatura pode ser apresentada sem os elementos de projeto relativos às intervenções propostas, sendo suficiente a apresentação do programa preliminar.
 
» voltar ao topo

13- Podem ser reprovadas algumas das Intervenções abrangidas pela candidatura?

Sim. Uma vez que a classificação de cada intervenção é obtida através do quociente entre o valor resultante da avaliação da intervenção e o seu número de ordem, no caso de existirem muitas intervenções, poderá acontecer que apenas as primeiras intervenções venham a ser selecionadas.
Pode ainda acontecer que em resultado da avaliação efetuada pelo IHRU resulte a rejeição da intervenção.
 

» voltar ao topo

14- Existe algum limite ao custo de cada intervenção?

Não existe qualquer limite, mínimo ou máximo, ao custo de cada intervenção.
 

» voltar ao topo

15- Podem existir intervenções parciais?

Não se aceitam intervenções que visem a reabilitação parcial do espaço público ou dos edifícios objeto da intervenção. As intervenções devem visar a sua reabilitação integral.
 
» voltar ao topo

16- Existem restrições quanto à localização das intervenções?

Sim. As intervenções deverão localizar-se em áreas de reabilitação urbana aprovadas ou em processo de delimitação, podendo localizar-se fora destas áreas caso a candidatura seja apresentada ao abrigo do artº 77º-A do Regime Jurídico da Reabilitação Urbana, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 307/2009, de 23 de outubro, com as alterações introduzidas pela Lei nº 32/2012, de 14 de agosto.
 

» voltar ao topo

17- Como saber se a candidatura é elegível?

São elegíveis as candidaturas e respetivas intervenções que obedeçam ao disposto no artº 4º do regulamento do programa REABILITAR PARA ARRENDAR.
 

» voltar ao topo

18- No caso de não ter área de reabilitação urbana aprovada ou em processo de delimitação é possível apresentar candidatura?

A candidatura pode ser apresentada mesmo que não exista área de reabilitação urbana aprovada, desde que a entidade gestora indique e comprove que está a decorrer o seu processo de delimitação ou se invocar que a candidatura é apresentada ao abrigo do disposto no artº 77-A do Decreto-Lei n.º 307/2009, de 23 de outubro, com as alterações introduzidas pela Lei nº 32/2012, de 14 de agosto.
 
» voltar ao topo

19- A candidatura pode abranger intervenções em edifícios ocupados ou é obrigatório que o edifício esteja devoluto?

A candidatura pode abranger a reabilitação de edifícios, independentemente da sua situação de ocupação, devendo ter-se em atenção a sua viabilidade económica.
 

» voltar ao topo

20- Quais são os documentos que devem ser apresentados com a candidatura?

Os documentos necessários para a apresentação da candidatura são:

a) Modelos disponibilizados pelo IHRU:

• Ficheiro de caracterização da candidatura (Mod.RPA.01);
• Ficheiro com informação económica e financeira das entidades gestoras que não sejam municípios e associadas (Mod.RPA.02);
• Minuta-tipo do contrato de financiamento (Mod.RPA.03);
• Declaração de aceitação da minuta-tipo do contrato de financiamento (Mod.RPA.04).


b) Candidatura efetuada ao abrigo do artº 77º-A:

• Planta de localização das intervenções propostas;
• Declaração invocando a aplicação do regime especial de reabilitação urbana, conforme o disposto no artº 77-A do Decreto-Lei n.º 307/2009, de 23 de outubro, com as alterações introduzidas pela Lei nº 32/2012, de 14 de agosto;
• Cópia simples, atualizada, da certidão da conservatória do registo predial relativa aos prédios abrangidos pela intervenção;
• Orçamento das intervenções, incluindo descrição, preço proposto e prazo de execução;
• Projetos das Intervenções em formato DWF acompanhados por memória descritiva (caso existam);
• Programa base e outros documentos relevantes para avaliação das intervenções;
• Relatórios e contas e outros documentos relativos aos 2 anos anteriores que permitam a avaliação do risco financeiro das entidades gestora ou associadas que não sejam municípios;
• Documento comprovativo da capacidade de endividamento das entidades gestora e associadas;
• Memória descritiva dos investimentos a realizar por outras entidades que não sejam a entidade gestora ou associada, indicando os mecanismos previstos para controlo da realização desses investimentos;
• Comprovativo do pagamento da taxa de análise da candidatura.

c) Candidatura efetuada no âmbito de área de reabilitação urbana:

• Planta de localização com a identificação dos locais das Intervenções e a delimitação da área de reabilitação urbana;
• Documento da aprovação da delimitação da área de reabilitação urbana, ou a sua proposta da delimitação dentro dos prazos previstos para a sua aprovação;
• Estratégia de reabilitação urbana ou programa estratégico de reabilitação urbana (ainda que não aprovados);
• Cópia simples atualizada da certidão da conservatória do registo predial relativa aos prédios abrangidos pela intervenção;
• Orçamento das intervenções, incluindo descrição, preço proposto e prazo de execução;
• Projetos das Intervenções - em formato DWF - acompanhados por memória descritiva (caso existam);
• Programa base e outros documentos relevantes para avaliação das intervenções;
• Relatórios e contas e outros documentos relativos aos 2 anos anteriores que permitam a avaliação do risco financeiro das entidades gestora ou associadas que não sejam municípios;
• Documento comprovativo da capacidade de endividamento das entidades gestora e associadass;
• Memória descritiva dos investimentos a realizar por outras entidades que não sejam a entidade gestora ou associada, indicando os mecanismos previstos para controlo da realização desses investimentos;
• Comprovativo do pagamento da taxa de análise da candidatura.
 
» voltar ao topo

21- Se não for possível obter todos os documentos necessários no prazo para a apresentação da candidatura, a mesma será aceite?

Sim. A candidatura pode ser apresentada, com elementos em falta. Deverão ser justificados os motivos pelos quais não são apresentados os referidos elementos e o IHRU apreciará a candidatura após fixar um novo prazo para a sua apresentação.
 

» voltar ao topo

22- Quais os critérios de seleção das candidaturas?

Os critérios de seleção das candidaturas e das intervenções são os constantes do artigo 7º do regulamento do programa REABILITAR PARA ARRENDAR e do seu anexo II.
 

» voltar ao topo

23- Quais os critérios de exclusão das candidaturas e intervenções?

São excluídas as candidaturas de entidades gestoras que:

• Tenham dívidas por regularizar ao IHRU;
• Tenham intenção de alienação total ou parcial da propriedade dos bens objeto do financiamento;
• Apresentem riscos de incumprimento dos prazos de execução e custos de intervenções;
• Não demonstrem a sustentabilidade económica e financeira das intervenções;
• Não cumpram os prazos fixados no regulamento;
• Não tenham efetuado o pagamento da taxa de análise da candidatura.
 

» voltar ao topo

24- Qual a forma de pagamento da taxa de análise da candidatura?

O pagamento deverá ser feito por transferência bancária, para a conta cujo NIB é indicado no último formulário de candidatura, devendo ser anexado o respetivo comprovativo.
 

» voltar ao topo

25- A taxa é devolvida em caso de aprovação?

Sim, a taxa é deduzida no primeiro processamento de juros.
 

» voltar ao topo

26- Caso a candidatura não seja aprovada há direito ao re-embolso da taxa de análise?

Neste caso não há devolução da taxa de análise.
 

» voltar ao topo

27- Qual o prazo para início das intervenções?

As intervenções deverão iniciar-se num prazo máximo de 12 meses a contar da data de abertura do período de candidaturas. O IHRU verificará se estão a ser cumpridos os prazos previstos na candidatura.
 

» voltar ao topo

28- Qual o prazo para a conclusão das intervenções?

As intervenções deverão estar concluídas até ao dia 15 de dezembro de 2016.
 

» voltar ao topo

29- Qual a taxa de juro a aplicar ao empréstimo?

A taxa de juro a aplicar será indexada à EURIBOR a 3 meses acrescida de uma margem.
Salvo se se verificarem flutuações significativas das taxas de mercado e considerando a cotação da EURIBOR à data de abertura do primeiro período de candidaturas, a taxa de juro do empréstimo, considerando a margem sobre o indexante, será, aproximadamente, de 3%.
 

» voltar ao topo

30- Como se processam os desembolsos das verbas contratadas?

Os desembolsos das verbas contratadas ocorrerão nas seguintes datas pré-determinadas:
15 de março, 15 de junho, 15 de setembro e 15 de dezembro, entre 2013 e 2015, devendo os pedidos ser apresentados com pelo menos 45 dias de antecedência.
O desembolso do montante solicitado será avaliado pelo IHRU, tendo em conta a evolução dos trabalhos e a utilização das verbas anteriormente desembolsadas.
 

» voltar ao topo

31- Qual o prazo de amortização do empréstimo e de pagamento de juros?

O prazo de amortização de cada desembolso é de 30 anos, com carência de capital nos primeiros 10 anos e com re-embolso em 20 prestações anuais e consecutivas. O pagamento de juros é trimestral sem período de carência.
 

32- Quais as garantias a apresentar para a obtenção do empréstimo?

Os empréstimos são preferencialmente garantidos por consignação de receitas, nos termos da alínea f) do nº 2 do artigo 7º da Lei nº 91/2001, de 20 de agosto.
O IHRU poderá exigir, por via das suas regras de gestão e segurança, outras garantias que considere idóneas, sendo aplicável para o efeito o disposto no nº 2 do artº 76º do Decreto-Lei nº 307/2009, de 23 de outubro, com as alterações introduzidas pela Lei nº 32/2012, de 14 de agosto.
Nos casos em que a entidade gestora é uma empresa do setor empresarial local, o município é solidariamente responsável pelo cumprimento das obrigações decorrentes do contrato de empréstimo, aplicando-se para o efeito a disposição legal atrás referida.
Nos casos de empréstimos concedidos a outras entidades públicas referidas no nº 2 do artº 3º do regulamento, a garantia dos empréstimos é preferencialmente constituída por hipoteca dos respetivos imóveis, sem prejuízo de outras garantias consideradas aceitáveis pelo IHRU em função da natureza jurídica dessas entidades.
 

» voltar ao topo

33- Quem é o titular do empréstimo?

O titular é a entidade gestora ou a entidade associada para as respetivas intervenções que se proponham executar.
 

» voltar ao topo

34- O que fazer caso não consiga descarregar os ficheiros, que estão identificados na página inicial do inquérito?

Deverá reportar a anomalia através do endereço de correio eletrónico dfp@ihru.pt ou pelos números de telefone disponibilizados na página inicial do formulário de candidatura.
 

» voltar ao topo

35 - O que fazer caso não receba uma mensagem de correio eletrónico após a submissão do inquérito?

Deverá reportar a anomalia através do endereço de correio eletrónico dfp@ihru.pt ou pelos números de telefone disponibilizados na página inicial do formulário de candidatura.
 

» voltar ao topo
 

» Voltar ao início

Sobre o Portal | Avisos Legais | Política de Privacidade
Actualizado em 2016-02-18 | 1.6.4
Em conformidade com o nível 'AA' das WCAG 1.0 do W3C [D] Símbolo de Acessibilidade na Web  Portal da União Europeia