Logo Portal da Habitação   Contactos  | 
Logo Site IHRU Logo Site IHRU
 

 

Co-financiado por:
POSC
Fundos Estruturais CE
Prémio IHRU_ATP_carr     
Prémio Nuno Teotónio Pereira »
Reabilitação Urbana | 2017

Menção Honrosa de Reabilitação de Edifício de Equipamento
Recuperação das Estufas Tropicais do Jardim Botânico da Universidade de Coimbra
Coimbra
F04_2.1. (A) PNTP - Estufa - fotografia anterior à intervenção
ENTIDADE PROMOTORA:
Universidade de Coimbra
 
Autor do Projeto:
 João Mendes Ribeiro
 
Entidade Construtora:
Tecnorém – Engenharia e Construções, S.A.
 

» Painel
As Estufas Tropicais e o novo Espaço Ciência in Situ localizam-se na Alta de Coimbra e fazem parte do Jardim Botânico da Universidade, construído em 1772 pelo Marquês de Pombal.
 
As Estufas Tropicais, concluídas em 1859, são um dos primeiros exemplares da arquitetura do ferro em Portugal, tendo como referência as estufas de Kew Gardens em Inglaterra. A intervenção levada a cabo nas Estufas envolveu o restauro e recuperação das estruturas existentes e a implementação de soluções técnicas adequadas ao desenvolvimento das plantas e ao uso do espaço, nomeadamente, para realização de visitas. Estas condições implicaram novos meios de sombreamento e de ventilação, a
garantia de níveis higrométricos e de humidade adequados e a acessibilidade ao edifício e dentro deste.

Como uma das medidas de maior impacto na reabilitação da Estufa destaca-se a recuperação da relação interior/exterior original e a reposição da transparência dos vidros, nos paramentos verticais e na cobertura, retirando a opacidade e o peso resultantes da anterior caiação dos vidros. Em substituição do anterior processo de controlo da temperatura e luminosidade, através de caiação, foram aplicados novos vidros transparentes laminados e telas de sombreamento interiores. Essa medida, que procura corrigir a desadequação face aos requisitos de regulação térmica, proteção solar e de
segurança do espaço, acarreta uma alteração radical da imagem da Estufa, que passou a assumir uma configuração distinta consoante as estações do ano.

A ala central corresponde a um momento singular no percurso de toda a Estufa, dada a sua configuração com pé-direito elevado e a existência de uma galeria no nível superior.

Reforçando o seu caráter excepcional, os anteriores canteiros foram removidos e substituídos por um grande lago destinado ao crescimento da Victoria Régia, uma espécie de nenúfar gigante proveniente da Amazónia. O lago é revestido a chapa de aço pintada a preto, por forma a enfatizar a superfície espelhada do plano de água.

Tal como o novo Lago Vitória, o espaço Ciência in Situ foi construído de raiz junto às estufas, para receber espaços de infra-estruturas e novo programa. Tendo como referência as tradicionais casas de fresco, é um edifício de cobertura ajardinada com estrutura de madeira e pedra e portadas em ripado de madeira.
 
   
F04_1.1. (A) PNTP - Estufa -fotografia anterior à intervenção
 
F04_1.2. (B) PNTP - Estufa - fotografia posterior à intervenção
F04_2.2 (B) PNTP - Estufa - fotografia posterior à intervenção
 
F04_3.1. (A) PNTP - Estufa - fotografia anterior à intervenção
 
F04_3.2. (B) PNTP - Estufa - fotografia anterior à intervenção
F04_6. PNTP-Espaço Ciência in Situ®JOSE CAMPOS    F04_5. PNTP-Espaço Ciência in Situ ®JOSE CAMPOS   F04_4. PNTP - Espaço Ciência in Situ®JOSE CAMPOS
F04_8. PNTP - Estufa - fotografia posterior à intervenção®JOSE CAMPOS  F04_9. PNTP- Estufa - fotografia posterior à intervenção®JOSE CAMPOS  F04_7. PNTP - Estufa - fotografia posterior à intervenção®JOSE CAMPOS

» Catálogo do Prémio 2017 (a disponibilizar brevemente)
» Prémio NTP 2017 » Prémios IHRU

 

 

 
 
Em conformidade com o nível 'AA' das WCAG 1.0 do W3C [D] Símbolo de Acessibilidade na Web  Portal da União Europeia